sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Fukushima:

 A Radiação do Oceano Pacífico nos próximos 10 anos - Japão -Vídeo desastre nuclear
 
  Foi publicado em 8 de fevereiro de 2013
Cientistas da GEOMAR têm juntos neste lapso de tempo mostrado o quão estamos sendo afetados pelos níveis de radiação no Pacífico.  
Pela catástrofe nuclear em Fukushima, grandes quantidades de material radioativo foram liberados. A maior parte veio através da atmosfera, mas em parte também por descarga direta para o Oceano Pacífico, incluindo isótopos de vida longa, como o altamente solúvel em água do mar de césio-137. Usando simulações em computador detalhados, os pesquisadores do GEOMAR | Centro Helmholtz para Pesquisa Oceano Kiel investiga a expansão a longo prazo. "Em nossos modelos, temos colocado grande ênfase em uma representação realista dos detalhes mais finos dos fluxos", disse o líder da equipe, o professor Claus desossa, "porque o material se espalhou não só através da corrente principal, o Kuroshio, mas, principalmente, pela intensa e Eddy altamente variável dominado ".
"Pode ter sido por esta turbulência forte, a água radioativa se espalha e  já tem quase metade do Pacífico Norte.  De acordo com nossos cálculos de modelo", disse o oceanógrafo graduado Erik Behrens, autor dos revista científica internacional "Environmental Research Letters", que publicou o  estudo. "Além disso, as tempestades de inverno ter misturado a água a profundidades de 500 metros." A diluição atendente no projeto de lei modelo que  prevê uma rápida diminuição da concentração de césio.
O efeito do oceano largo  em mistura é particularmente evidente quando se compara o modelo simulando o curso de tempo dos níveis de radiação no Pacífico com a situação no Mar Báltico. "Isso foi em março e abril de 2011, no Pacífico fluiu quantidade de radioatividade pelo menos três vezes maior do que o registrado em 1986, como resultado do desastre de Chernobyl, no Mar Báltico", disse Boening. "No entanto, nós simulados os níveis de radiação no Pacífico já estão mais baixos do que os valores que temos hoje, 26 anos após Chernobyl, no Mar Báltico."
Depois que o modelo de simulação devem estimular o da primeira faixa sobre água contaminada no outono de 2013, as ilhas havaianas, chegando a dois ou três anos mais tarde, a costa norte-americana. Ao contrário, no detritos flutuantes da superfície do mar, o que também são distribuídos pelo vento, a água transporta radioativos unicamente pelas correntes por baixo da superfície do oceano. A diluição concomitante outra é lenta agora, mas claramente, como o redemoinho oceânico no leste do Pacífico é muito mais fraco do que na região  de Kuroshio. Portanto, mesmo durante anos, os níveis de radiação no Pacífico Norte, significativamente maiores do que aqueles antes do desastre.
Seria muito interessante diz Noel Böning a sua equipe em uma medição de comparação direta. "Então podemos ver imediatamente se estamos certo, mesmo se os valores absolutos das concentrações", diz o professor. Esses dados estão disponíveis para os cientistas Kiel mas não disponíveis.

Global Illumination Council

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Em observação... Adm.
Qualquer comentário que for ofensivo e de baixo calão, não será bem vindo neste espaço do blog.
O Blog se reserva no direito de filtrar ou excluir comentários ofensivos aos demais participantes.
Os comentários são livres, portanto não expressam necessariamente a opinião do blog.
Usem-no com sapiência, respeito com os demais e fiquem a vontade.
Admin- UND-HN

Postar um comentário